quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Glaucoma: saiba como prevenir

Conheça mais sobre essa doença que atinge 2% dos brasileiros



Glaucoma saiba como prevenirUma doença silenciosa e menos conhecida do que se deve atinge 2% dos brasileiros acima dos 40 anos. Isso significa que um milhão de pessoas no país apresentam o glaucoma. A situação passa a ser ainda mais preocupante por conta de uma pesquisa realizada pela IBOPE, com mais de duas mil pessoas, a pedido da Sociedade Brasileira de Glaucoma.


Os dados concluíram que cerca de 50 milhões de brasileiros acima de 16 anos de idade nunca foram ao oftalmologista. Quase 1/3 dos entrevistados com mais de 40 anos desconhece completamente o glaucoma e 13% não sabem que o problema pode causar cegueira.
Essa doença está relacionada à pressão ocular. Conforme explica Dr. Renato Neves, médico oftalmologista e diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos, em São Paulo, quanto maior a pressão, maior a chance de lesão no nervo óptico e consequente perda de campo visual.
"Essa perda de visão é evitável se o problema for diagnosticado no início. Porém, muitas vezes as pessoas só reparam nessas áreas cegas depois que o nervo óptico já sofreu grande dano. Quando todo nervo é destruído, ocorre a cegueira". Oglaucoma acomete pessoas com mais de 60 anos na maioria das vezes e também pessoas com miopia, histórico familiar de glaucoma, lesões oculares prévias, histórico de anemia aguda e negros.
Existem dois tipos principais de glaucoma: o crônico de ângulo aberto (mais comum) e o de ângulo fechado. O primeiro ocorre por conta do envelhecimento e costuma prejudicar a visão de forma tão indolor e gradual que a pessoa só percebe o problema quando o nervo óptico está bastante lesado.
Quando a pressão do olho aumenta rapidamente, têm-se o glaucoma de ângulo fechado. "Os sintomas incluem perda súbita de visão ou embaçamento, náuseas, vômitos, dor forte no olho, dor de cabeça e halos coloridos ao redor das luzes. E o Dr. alerta: "É fundamental não confundir esses sintomas com os de enxaqueca, o que prejudica o tratamento. É necessário checar se os olhos não estão avermelhados, indicando uma urgência oftalmológica."
Outro tipo menos comuns de glaucoma é o crônico de ângulo fechado (quando ocorre um fechamento gradual e indolor do ângulo), que acomete mais pessoas de origem africana ou asiática. Há ainda outros tipos raros da doença, como o glaucoma congênito e o juvenil, que aparece em crianças e adultos jovens.
Para detectar o problema a pessoa deve ir ao oftalmologista e passar um exame completo e indolor. Nele, o especialista vai medir a pressão ocular do paciente (tonometria), verificar o ângulo de drenagem de seu olho (gonioscopia), avaliar se há lesão do nervo óptico (oftalmoscopia) e testar o campo de visão de cada olho (perimetria). Caso a doença já exista, estes mesmos exames são feitos como forma de acompanhamento da doença. Eles são vitais para prevenir a perda total de visão.
O especialista orienta que pacientes com menos de 40 anos devem fazer exames a cada dois anos. "Entretanto, as visitas ao oftalmologista passam a ser anuais se houver na família outros casos de glaucoma, se tomar medicamentos esteróides, tiver acima de 50 anos, ascendência africana ou asiática ou se já sofreu alguma lesão ocular grave", completa.
É importante ressaltar que o glaucoma leva à cegueira e essa lesão normalmente é irreversível. O uso de colírios, remédios e cirurgias podem prevenir ou bloquear o aparecimento de mais lesões.
Veja os tratamentos possíveis para controlar o glaucoma:
Medicamentos: uso de colírio aplicado várias vezes ao dia, às vezes combinado com medicações ingeridas via oral. "Eles diminuem a pressão ocular, retardam a produção do humor aquoso (líquido que circula no interior do olho) e melhora o fluxo que sai pelo ângulo de drenagem", explica Dr. Renato.
Cirurgia a laser: no caso de glaucoma de ângulo aberto, o próprio ângulo de drenagem é tratado (neste caso, o laser aumenta o dreno e controla a pressão). Se for o glaucoma de ângulo fechado o laser se encarregará de criar um furo na íris (iridotomia) para melhorar o fluxo de humor aquoso para o ângulo de drenagem.
Cirurgia convencional: controla o glaucoma criando um novo canal de drenagem, de forma que o humor aquoso sai do olho e a pressão intraocular baixa.
Por Juliana Falcão (MBPress)                                                                                                                                          Fonte:maisequilibrio






Nenhum comentário:

Postar um comentário